terça-feira, 11 de dezembro de 2012

terça-feira, 6 de novembro de 2012



PROJETO: LENDO E RELENDO AS BIBLIOTECAS DA REDE
TEMA: DE CONTO EM CONTO: Belém da História e da Memória.

No dia 05 de Novembro de 2012 a escola Amália Paumgartten estava em festa, comemorou-se o Dia da Cultura realizado em todas as escolas municipais da rede de ensino (SEMEC) em parceira com o SISMUBE. Da parceira realizada surgiu o Projeto: Lendo e Relendo as Bibliotecas Escolares, do qual surgiu a ideia do Tema da Escola Amália Paumgartten intitulado: De Conto em Conto: Belém da História e da Memória.

 A realização dos subprojetos em cada escola tem como objetivo a interação das bibliotecas com os seus leitores, através de empréstimos de livros a comunidade em geral, aos alunos, aos funcionários e aos professores, repensando a biblioteca como um espaço de cultura, de socialização, cheio de entretenimento e de descobertas de um mundo cheio de imaginação que os livros podem oferecer àqueles que procuram.

A celebração do Dia da Cultura aconteceu o dia inteiro na escola Amália. Pela manhã a professora Ana Lilia, responsável pela biblioteca, realizou: leitura de poemas, contação de histórias e construção de álbum ilustrado sobre meio ambiente. No turno do intermediário a professora Claudia Helena realizou  oficina de material reciclável, exposição de poemas e teatro de varetas (conto História de Amor, de Walcyr Monteiro). No turno da tarde,a professora Lúcia Melo promoveu o encontro com o escritor Walcyr Monteiro, autor de vários livros que tratam das histórias populares da nossa região, dentre eles os mais conhecidos: Visagens e Assombrações de Belém e Visagens, Assombrações e Encantamentos da Amazônia da editora Paka-Tatu. O evento contou ainda com a participação do contador de histórias Reinaldo Santos, que encantou nossas crianças com algumas das mais famosas histórias de Walcyr Monteiro. 
  

 
Walcyr Monteiro apresentando um vídeo sobre as suas obras.


Crianças encantadas com as histórias de Walcyr Monteiro.

A presença do ilustre escritor Walcyr Monteiro na escola Amália Paumgartten. O poeta falou um pouco do seu trabalho como escritor e jornalista e interagiu com as crianças, que ficaram encantadas e muito contentes com a presença dele no evento. Walcyr Monteiro deu autógrafos e esbanjou simpatia.

 

quinta-feira, 22 de março de 2012

Projeto: Belém-Pará-Brasil

O projeto Belém-Pará-Brasil é uma parceria da equipe técnica do Nied com os professores de informática, professores da educação básica, professores de sala de leitura e professores das bibliotecas. Portanto, o projeto tem como objetivo primordial o trabalho conjunto entre todos os profissionais envolvidos com a educação. Em sala de aula os alunos terão a oportunidade de ler sobre a Fundação de Belém até os dias atuais, incluindo aspectos econômicos, sociais, históricos, geográficos e literários. São trabalhados em sala de aula e nos laboratórios de informática, textos de diferentes gêneros: jornalísticos, charges, pinturas, canções, poemas, músicas... objetivando a temática da cidade de Belém. Os alunos fazem uma verdadeira viagem, desde a fundação com Francisco Caldeira Castelo Branco, até os atuais políticos, passando também pelo centro histórico da cidade velha, com seus casarões de azulejos portugueses.

A cidade fundada pelos nossos confrades Portugueses, recebera vários nomes como: Feliz Lusitânia, Santa Maria de Belém do Grão-Pará, e posteriormente, Belém. A cidade foi fundada às margens da Baía do Guajará em 12 de janeiro do ano de 1616. Os portugueses de início construíram um belo forte chamado "Forte do Castelo". Depois, Belém cresceu e se desenvolveu tornando-se hoje, conhecida no Brasil inteiro como a "Cidade das Mangueiras" ou a "Metrópole da Amazônia".

Leiamos abaixo uma linda composição, um hino de louvor sobre Belém

Letra: Bom dia, Belém
Composição: Edyr Proença e Adalcinha
Há muito que aqui no meu peito
Murmuram saudades azuis do teu céu
Respingos de orvalho me acordam
Luando telhados que a chuva cantou
O que é que tens feito, que estás tão faceira
Mais jovem que os jovens irmãos que deixei
Mais sábia que toda a ciência da terra
Mais terra, mais dona, do amor que te dei
Onde anda meu povo, meu rio, meu peixe
Meu sol, minha rede, meu tamba-tajá
A sesta, o sossego na tarde descalça
O sono suado do amor que se dá
E o orvalho invisível da flor se espalhando
Cantando cantigas e o vento soprando
Um novo dia vai enunciando, mandando e
Cantando cantigas de lá
Me abraça apertado que eu vou chegando
Sem sol e sem lua, sem rio e sem mar
Coberta de neve
Levada no pranto dos rios que correm
Cantigas no ar
Onde anda meu barco de vela azulada
De foi depenada sumindo sem dó
Onde anda a saudade da infância na grama
Dos campos tranquilos do meu Marajó
Belém, minha terra, meu rio, meu chão
Meu sol de janeiro a janeiro, a suar
Me beija, me abraça que eu
Quero matar a imensa saudade
Que quer me acabar
Sem círio de virgem, sem cheiro cheiroso
Sem a chuva das duas que não pode faltar
Murmuro saudades de noite abanando
Teu leque de estrelas
Belém do Pará!

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Festa da criança

Na semana comemorativa ao dia da criança, preparamos uma animada festa para nossos alunos. As crianças se divertiram em diversos espaços organizados para a alegria: pintura no rosto, jogos, vídeos, brincadeiras, apresentação de dança, coro, além de um delicioso lanche preparado com muito carinho para elas.




segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Textos, Frases e Poemas de Incentivo à Leitura!!!

"A leitura é uma fonte inesgotável de prazer mas por incrível que pareça, a quase totalidade, não sente esta sede". Carlos Drummond de Andrade


"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história". Bill Gates


Viajar pela leitura

Viajar pela leitura
sem rumo, sem intenção.
Só para viver a aventura
que é ter um livro nas mãos.
É uma pena que só saiba disso
quem gosta de ler.
Experimente!
Assim sem compromisso,
você vai me entender.
Mergulhe de cabeça
na imaginação!

Clarice Pacheco


"Sempre imaginei que o paraíso fosse uma espécie de livraria". Jorge Luis Borges


"A leitura torna o homem completo; a conversação torna-o ágil, e o escrever dá-lhe precisão". Francis Bacon


"A leitura não deve ser mais do que um exercício para nos obrigar a pensar".Edward Gibbon


Felicidade clandestina (excerto) - Clarice Lispector


"(...) Foi então que, finalmente se refazendo, disse firme e calma para a filha: você vai emprestar o livro agora mesmo. E para mim: "E você fica com o livro por quanto tempo quiser." Entendem? Valia mais do que me dar o livro: "pelo tempo que eu quisesse" é tudo o que uma pessoa, grande ou pequena, pode ter a ousadia de querer. Como contar o que se seguiu? Eu estava estonteada, e assim recebi o livro na mão. Acho que eu não disse nada. Peguei o livro. Não, não saí pulando como sempre. Saí andando bem devagar. Sei que segurava o livro grosso com as duas mãos, comprimindo-o contra o peito. Quanto tempo levei até chegar em casa, também pouco importa. Meu peito estava quente, meu coração pensativo. Chegando em casa, não comecei a ler. Fingia que não o tinha, só para depois ter o susto de o ter. Horas depois abri-o, li algumas linhas maravilhosas, fechei-o de novo, fui passear pela casa, adiei ainda mais indo comer pão com manteiga, fingi que não sabia onde guardara o livro, achava-o, abria-o por alguns instantes. Criava as mais falsas dificuldades para aquela coisa clandestina que era a felicidade. A felicidade sempre iria ser clandestina para mim. Parece que eu já pressentia. Como demorei! Eu vivia no ar... Havia orgulho e pudor em mim. Eu era uma rainha delicada. As vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo. Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante".